sábado, fevereiro 02, 2008

Uma crônica para várias "Marias"

Luiz Maia enviou sua crônica de Fim-de-Semana. E, quando a li, logo respondi ao e-mail com o texto que transcrevo aqui:

"Luiz!
Esta tua crônica parece que foi feita para várias "Marias". Estas "Marias" das quais falo nas minhas crônicas.
Lindíssima.
É a história das Marias que souberam passar pelos dissabores da vida, sempre a vislumbrar um sentido mais profundo do que a própria dor, nas suas dores.
Marias que teimam em viver, contra todas as esperanças e realidades que as cercam. Marias que percebem-se fortes na fraqueza. Que usam as lágrimas como degraus para alcançarem a vitória. Marias que, em seu íntimo, sentem-se fracas mas, fortalecidas pelos dissabores, crescem em sabedoria e força a cada dia, a cada choro, a cada lágrima sentida. Marias silentes, que caminham em busca de si mesmas, de seus sonhos, com a garra que lhes vem da alma.
Mais um texto magnífico que vai ser publicado. Desta vez trocando de Blog.
O anterior está em http://tratos-e-poesias.blogspot.com.
Permites-me?"

E, com a devida permissão e a explicação de que ela foi feita para uma amiga de fato, residente no exterior, mas que, de qualquer forma, ... "a homenagem pode ser estendida à todas as "Marias" do Brasil, sem dúvida nenhuma."... participo desta homenagem à todas as Marias... não somente do Brasil, mas de qualquer terra que tenha uma "Maria".

Homenagem à amiga...
Luiz Maia

De repente te abandonaram ali, numa sala imunda sem explicação. Quebraram teus jarros com flores, queimaram teus livros, pisaram teus sonhos, mataram as orquídeas da sala de estar. Tolheram a vida quando impediram teu livre caminhar. Negaram-te o direito de saber como seriam os teus dias. Fizeram-te de boba para que não compreendesses a realidade, para que não soubesses das noites escuras que estavam por vir. Puseram vendas em teus olhos, jogaram-te na mais longa escuridão. Calaram tua boca, amordaçaram tua alma. Inibiram teus sonhos, roubaram os amores que buscavam a ti. Até que um dia disseram que não existias. Fizeram-te ciente apenas dos acontecimentos havidos nos corredores da dor. Tentaram te transformar numa pessoa sem nome, cuja aparência amarga negaria quem verdadeiramente és. Não supunham que pudesses descobrir no infortúnio a graça da poesia, o inusitado da analogia dos temas grandiosos.

Não seguistes o caminho que as forças tenebrosas quiseram te impor um dia. Hoje tu só queres agradecer à vida. Dizer bem alto que valeu a pena não desanimar, que não foi em vão ter acreditado no amanhã. Ainda que por ora oculta, palpita a beleza da vida em teu coração. Peço para que não me esqueças, minha amiga. Nem dos teus amores, aqueles a quem amas tanto! Repare em tudo à tua volta, em tudo o que começa a dar certo dentro de ti. Mesmo no decorrer da dureza dos dias tristes, sempre aflorou em ti o desejo de enaltecer a vida. Hoje estás consumida pela luz das palavras, uma apaixonada pela vida que teima em existir. Há muitas verdades no mundo, todas precárias e provisórias. Aceitem a complexidade da vida, esta que faz o homem agigantar-se no mundo e vencer os maiores obstáculos. Valeu a pena ter acalentado a esperança para que um novo tempo surgisse diante de ti!


Luiz Maia
http://br.geocities.com/escritorluizmaia/
Autor dos livros "Veredas de uma vida", "Sem limites para amar", "Cânticos" e "À flor da pele". Recife-PE.

3 comentários:

A Flôr disse...

"Aceitem a complexidade da vida, esta que faz o homem agigantar-se no mundo e vencer os maiores obstáculos. Valeu a pena ter acalentado a esperança para que um novo tempo surgisse diante de ti!"... grande verdade! :)

Linda, aqui por terras Lusas, a chuva e o frio teimam em querer estragar o carnaval.... eu pessoalmente, não gosto do carnaval.... mas amanhã não se trabalha e isso já gostooooo!!... ih ihihih

Beijiiiiinhos doces e floridos em seu coração :D

Flor

Nilson Barcelli disse...

É um belíssimo texto, que no fundo é para todas as mulheres, sejam elas Marias ou não.

Gostei das tuas palavras como comentário ao texto.

Beijinhos.

MªJosé M. disse...

Olá Míriam!
Gostei das tuas palvras e deste post.
Relendo...
Magnífica crónica em Homenagem a uma Mulher e no fundo à Mulher, ao ser humano que tantas vezes é tratado cono nada - ninguém - coisa nenhuma!!

----"Até que um dia disseram que não existias."
E dessa (in) existência, a crueza da verdade!

----"Há muitas verdades no mundo, todas precárias e provisórias."
Por vezes toma-se a nossa realidade como definitiva e imutável.
Depois, percebe-se que nem sempre há círculos perfeitos nos dias...

-----"Valeu a pena ter acalentado a esperança para que um novo tempo surgisse diante de ti!"
Talvez o haver quem Acredite, seja muito mais importante do que parece à primeira vista.
Esse Acreditar, no outro transforma-se em força e vontade de EXISTIR!

Sempre, em ti, o Acreditar
Beijinhos,
MªJose