quinta-feira, outubro 18, 2007

Sem rumo

Maria começou a caminhar sem rumo... deixou-se levar pelo coração e pela emoção. Não via as pessoas que passavam, nem carros... não via nada. Algumas lágrimas teimavam em querer aparecer e ela não as deixava correr. Não teria como mostrar suas dores e seus temores a ninguém. E não queria.
Seguiu seu rumo, que nem rumo era, pois se perdera da vida... perdera-se de seu sentido, de suas esperanças...
Olhando seus pés, que a levavam não sabia onde, não se deu conta quando se deparou com uma pracinha pequena. Ali algumas árvores, um banco e um caminho por onde várias pessoas caminhavam em seu exercício de final de tarde. Sentou-se, com a cabeça baixa... nada tinha a olhar.. nem a fazer... não sabia porque estava ali, nem porque havia sentado. E deixou o tempo passar...passar...
...passar.
Olhou em volta e poucas pessoas restavam. A noite se mostrava, com sua brisa suave e tonalidades confusas. Alguns raios de sol ainda iluminavam o horizonte, dando a cor avermelhada característica do poente... pequenas formas de nuvens, aqui e ali, num escuro azul acinzentado, transformavam o céu numa imagem digna dos grandes artistas. Mas nada animava Maria... que havia se escondido da vida e das pessoas no inverso escuro da natureza... não queria mais que a vissem, nem que a escutassem. Sua voz estava rouca, seus olhos sem brilho... e era chegado o fim.
Maria não se lembrava como ali chegara nem como devia seguir. Mas seu instinto de sobrevivência a impulsionou a buscar o conforto de sua casa. E lá se foi...
...Foi à passo... como tinha vindo até ali.
...Foi sem olhar os carros, as pessoas.

Foi sem sentir...
...Embora sentisse muito!

by Miriam, numa noite de primavera

6 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

Foi sem sentir...
...Embora sentisse muito!
----------------
Sem sentir, sentindo. É assim a vida. Mas já diz um ditado muito antigo: 'Às vezes rimos, para não chorar'.
Fica bem.
Felicidades.
Manuel

Nilson Barcelli disse...

Uma história pequenina mas muito comovente.
Perder o rumo, não saber o que fazemos aqui ou ali, é muito mais frequente do que se julga.
Gostei do teu texto Miriam.
Boa semana para ti, beijinhos.

Mary disse...

Minha Querida,
Por vezes fico assim...
"...Sem sentir, Sentindo muito!"

Parecendo que tudo esta "perdido", sossega...
Logo, logo, essa força renovada!!
E o caminho - segue sempre em frente.
Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Passei aqui... e não vi mais nada escrito...
E a Miriam tem tanta coisa para nos contar...
Beijinhos.

PostScriptum disse...

Não sei se noite de primavera, mas inspiração a rodos, sim.
Bjs

A Flôr disse...

Até na terra árida e seca... floresce uma linda flor.....

Foi o que essa bonita foto me lembrou....

Deixa, minha irmã, que o perfume e a alegria de JESUS brilhe em ti :D

Beijiiiiiiinhos!!!

Flor no amor de Jesus